O homem de Direita

by RNPD

null

«Tenho de precisar que, em minha opinião, a dicotomia política e ideológica direita-esquerda perde hoje muita da sua força por causa do início do declínio da ideologia iluminista que a originou. Ainda assim, sobretudo em França, país superpolitizado, essa dicotomia continua a desempenhar o seu papel de distinção entre as mentalidades profundas. Alain de Benoist pensa que “não existe um critério conceptual que possa servir de denominador comum” à direita. Eu não penso assim. Acredito que existe, desde o iluminismo, uma tipologia mental de direita que se define pela recusa da “tábua rasa”. Qualquer pensamento de direita provém do sentimento de que os homens existem, antes de tudo, enquanto portadores de uma herança colectiva específica. Ideia refutada pela esquerda, para a qual cada homem é em si um início, um sujeito autónomo que não deve nada às suas raízes, a uma herança, a uma cultura, a uma História. No máximo reconhece um condicionamento social do qual é seu dever libertar-se. Libertação é a palavra-chave da esquerda assim como Herança (ou raízes) é a palavra-chave da direita. Isto implica, incidentalmente, que pessoas de esquerda virem à direita (sabendo-o ou nem tanto) quando ganham consciência das suas raízes.»

Dominique Venner em debate com Alain de Benoist sobre a “Direita”