Pertinência e limites do altermundialismo

by RNPD

marys-lamb

«As análises do imperialismo provenientes dos meios altermundialistas merecem ser lidas. Mas falta-lhes, contudo, uma base social. Os altermundialistas esperam seduzir sindicatos e partidos de esquerda, mas na maioria das vezes limitam-se a brincar à revolução para evitarem ter de a fazer. Ignoram, de resto, a concepção marxista da nação, esquecendo que o Estado nacional, a cultura nacional, a democracia nacional ou ainda o direito nacional constituíam a forma específica de democracia e de liberdade para autores como Marx e Engels, Lenine e Kautsky, Otto Bauer e Rudolf Hilferding. Para estes últimos, o povo e a nação não podiam ser dissociados. Este defeito torna os altermundialistas incapazes de analisar a forma como o capital financeiro e as grandes empresas multinacionais se dedicam, pela especulação e corrupção, a rebentar os quadros nacionais e a fazer escapar os seus lucros de todo o controlo do Estado. Em tais condições, podemos perfeitamente pensar que certos meios capitalistas têm todo o interesse em que se desenvolva um altermundialismo que contribua, também ele, para erodir as fronteiras. A verdadeira resistência, essa, passa pela Libertação Nacional.»

Bernard Rabehl, escritor e figura histórica da extrema-esquerda alemã, entrevistado na revista Eléments n°131, de Abril- Junho de 2009