Armai-vos da vossa tradição primordial e lutai, homens do Ocidente

by RNPD

null

«Sobre o ramo mais elevado de Yggdrasil (a árvore do mundo) está uma águia, e entre os olhos dessa águia está o falcão Vedfolnir. Assim, duas aves de rapina olham o mundo, noite e dia, prontas a mergulhar sobre o que ameaçar a ordem natural das coisas.

Sem parar, um esquilo, Ratatosk, corre a árvore para cima e para baixo. Ora sobe aos ramos mais elevados ora desce às raízes mais profundas. De uma bela cor laranja avermelhada, ágil e astucioso, ele procura incessantemente provocar um combate entre a águia e as serpentes.

Dos seus confrontos nasce a luta indispensável a toda a vida. O mundo é guerra. A paz, é a morte. Então, até ao fim dos tempos, incitados por Ratatosk, vão-se enfrentar a águia e a serpente, o predador do céu e o réptil da terra, aquele que plana e aquele que rasteja, a ave de luz e a besta das trevas. Assim, opõem-se a força e a manha, numa luta eterna, que não conhecerá vencedor ou vencido, porque o triunfo e a derrota são igualmente enganadores e apenas conta o combate, indissolúvel enlace da vida e da morte, do bem e do mal, da alegria e da pena.

À sombra de Yggdrasil, a águia e a serpente proclamam sem fim esta verdade primordial do Norte: o que vive, é o que luta!»

Jean Mabire, Les Dieux maudits – récits de mythologie nordique, pp.54-55, 1978.