A sociedade do vazio

by RNPD

null

«Todos iguais, todos diferentes: Este slogan publicitário em voga é perfeitamente ilustrativo da nova ordem. O propósito da aspiração igualitária contemporânea é postular para qualquer um o direito a aceder ao reconhecimento daquilo que é, em tanto que tal, fora de toda a legitimidade extrínseca ao indivíduo. A subjectividade é, em si, um critério de verdade. A obra propriamente dita não é mais o princípio fundamental do acesso ao reconhecimento. O narcisismo contemporâneo tende a desvirtuar mesmo o princípio do acesso ao reconhecimento, tradicionalmente fundado sobre a expressão de um talento, em benefício do direito ao aparecimento. De certa maneira o extraordinário desenvolvimento da indústria do divertimento responde ao desejo de se aceder o mais rapidamente possível ao estatuto social de «gente», a partir de um modo de selecção tão impiedoso quanto arbitrário: aquilo que faz com que você agrade ou não, seja manhoso e malicioso ou não, sensual ou não, etc., em suma, que você irrompa no “ecrã” da sociedade do espectáculo ou não. Neste quadro, a democracia televisiva dá hoje a não importa quem, desde que reúna os requisitos, os meios de «existir» aos olhos dos outros. Porque a condição requerida para aparecer nos projectores da sociedade do espectáculo não é a singularidade mas antes o inverso: a semelhança ao protótipo procurado com o qual se identificarão os «adolescentes» e os «jovens», que são os consumidores privilegiados da indústria do divertimento. Interroguemos um adolescente e vejamos o que representa a seus olhos, hoje, um médico, um juiz ou um professor ao lado de um animador bilionário ou dum futebolista analfabeto.»

Paul-François Paoli, Les impostures de l’égalité, Max Milo Editions, p.23