Giovanni Falcone, in memoriam.

by RNPD

A 23 de Maio de 1992, numa estrada a caminho de Palermo, a máfia siciliana fazia, por fim, cumprir o destino daquele homem incorruptível que sabia, tinha de saber, estar condenado. Com ele morreram a mulher e os três polícias que o protegiam. Giovanni Falcone provou que nem todos os homens têm preço. A memória permanece, o exemplo é eterno!