Declaração de posição

by RNPD

“Esgotados pela guerra, repelidos pelo destino, os chefes dos gregos, após tantos anos já passados, constroem, com a divina ajuda de Palas, um cavalo semelhante a uma montanha, e ajustam pranchas de abeto em seus flancos; fingem ser um voto pelo seu regresso; e a notícia de tal facto correu. Colocam em seu tenebroso flanco homens de escol, escolhidos pela sorte, e enchem-lhe as cavidades profundas e o ventre enorme de soldados armados.

(…) Vários contemplam com estupor a oferenda funesta feita à virgem Minerva e admiram a grandeza do cavalo; e, em primeiro lugar, Timoetes nos exorta a levá-la para dentro das muralhas e a colocá-la na cidadela, seja por dolo, seja porque já os fados de Tróia assim decretassem. Cápis, porém, e os que tinham o espírito melhor avisado queriam atirar ao mar ou entregar às chamas o presente insidioso e suspeito dos gregos ou furar as cavidades e sondar os esconderijos.”

Virgílio in Eneida, II

Nós, como os nossos companheiros de resistência no Brasil, como qualquer homem orgulhoso da sua linhagem europeia em qualquer parte do mundo, somos filhos da Europa. Não temos nada que ver com a cultura lusófona que se distancia da superior civilização europeia, com o seu mito do “bom selvagem”, a sua celebração da mestiçagem e dos ritmos tropicais. Que fique claro: A nossa pátria não é a língua portuguesa. Perante o Cavalo de Tróia, estaremos ao lado de Cápis enfrentando os discípulos de Timoetes!