Complementares, jamais iguais…

by RNPD

(A Gentlemanly Act, quadro de George Goodwin Kilburne)

“O gesto de um homem que abre uma porta para uma mulher ilustra como os homens e as mulheres se relacionam. Todos sabemos que uma mulher é capaz de abrir uma porta. Mas quando um homem o faz, está a afirmar a feminilidade, beleza e graça dela. Quando ela aceita graciosamente, está a validar-lhe a força masculina. Esta troca, uma mulher abdicando de poder físico em prol da protecção de um homem (i.e., amor) é a essência da heterossexualidade. Para poderem evoluir emocionalmente, os homens e as mulheres precisam desta validação mútua tanto quanto de sexo propriamente dito. O sexo é uma expressão deste contrato exclusivo. Sob a influência tóxica do feminismo as mulheres passaram a abrir as suas próprias portas. Nenhuma das identidades sexuais é validada, nenhum dos sexos amadurece emocionalmente. Os homens sentem-se redundantes e impotentes, as mulheres sentem-se rejeitadas e mal-amadas”

Henry Makow