Reescrever os clássicos

by RNPD

Depois das várias acções levada a cabo na Europa para proibir a venda do álbum de banda desenhada “Tintim no Congo”, sob a acusação de retratar os negros como seres infantis, pouco inteligentes e de feições “amacacadas”, chegou agora a vez dos grandes clássicos da literatura mundial serem alvo de uma “re-escritura”. Nos Estados Unidos uma nova edição das Aventuras de Huckleberry Finn, clássico de Mark Twain que desde há décadas faz parte dos currículos escolares norte-americanos, propõe um texto alterado, substituindo as palavras “niger” por “slave” e “injun” por “indian”. Aparentemente alguns consideram a versão original do autor ofensiva e para evitar a censura de algumas escolas achou-se mais adequado reescrever o livro de forma politicamente mais correcta. Não precisamos de chegar a queimar livros, a sociedade multirracial e multicultural ou os proíbe ou os reescreve.