Categoria: Notícias

A vista sobre Budapeste está cada vez mais bela

“Em vésperas da visita de Hillary Clinton a Budapeste, os húngaros rebaptizaram a Praça Roosevelt, passando a Praça Széchenyi, nome de um escritor, político e estadista nacionalista do século XIX. Uma escolha muito simbólica que atesta a passagem de um estado de subordinação para um de brio na independência. Consternação e raiva no lado dos democratas pró-atlantistas, cortesãos frustrados da visitante.”

Via NoReporter

Congresso do PC Cubano assume falência do comunismo: That’s all folks, a fantochada acabou!

O Partido Comunista de Cuba (PCC) aprovou o plano de reformas económicas apresentado pelo actual Presidente cubano, Raúl Castro, para reduzir as despesas públicas e fomentar a actividade privada, avança a Lusa.

A aprovação das reformas teve lugar em Havana, durante o VI Congresso do PCC, que se iniciou sábado e se prolonga até amanhã, com a participação de 1.000 delegados.

Os comunistas aprovaram 300 medidas, entre elas a abertura ao sector privado, corte de empregos, redução de subsídios, autogestão empresarial, criação de impostos e descentralização do aparelho estatal.

Para além destas medidas, Raul Castro defende também a limitação de mandatos nos cargos políticos.

O Partido Comunista de Cuba está no poder há 52 anos, primeiro liderado por Fidel Castro e agora pelo irmão Raul.

Fonte

A nova constituição Húngara consagra a “Revolução Nacional”

Os críticos afirmam que a nova constituição da Hungria, recentemente aprovada, não impede a discriminação com base na orientação sexual, etnia ou características genéticas dos indivíduos. Dizem ainda que define o casamento e a família de forma a excluir as relações homossexuais e a proteger a vida desde o momento da concepção para impedir o aborto. Segundo eles a nova constituição estabelece a proeminência da fé, da comunidade e da nação sobre o indivíduo isolado, sublinhado o papel fulcral da família tradicional e do cristianismo para a preservação da nacionalidade húngara. No texto surgirá ainda a referência à obrigação de patrões e trabalhadores colaborarem com vista ao bem da comunidade.

Fonte

Os verdadeiros portugueses saúdam o triunfo dos verdadeiros finlandeses.

Com 96% dos votos contados, a extrema-direita ficou a um ponto percentual dos conservadores, vencedores das legislativas finlandesas de domingo, após uma campanha dominada pela ajuda financeira da UE a Portugal.

Com a contagem dos votos praticamente terminada, o Partido da Coligação Conservadora, no poder, é dado como vencedor das legislativas finlandesas, com 20% dos votos.

As eleições são no entanto marcadas pela ascenção meteórica do movimento nacionalista Verdadeiros Finlandeses, que conquistaram 19,1% dos votos, imediatamente atrás do Partido Social Democrata, de centro-esquerda, que obteve 19,2%. Os centristas do Kesk são a quarta força mais votada, com 15,8% dos votos, segundo a televisão YLE.

Os resultados marcam uma forte viragem à direita da Finlândia após uma campanha eleitoral marcada pela questão da ajuda financeira da União Europeia a Portugal e a outros estados-membro em crise. Foi o movimento Verdadeiros Finlandeses quem mais capitalizou o descontentamento do eleitorado, subindo da fasquia dos 4% alcançada nas últimas eleições para quase 20%, graças a um discurso xenófobo e anti-europeu. Todas as outras forças políticas perderam assentos parlamentares.

O partido de extrema-direita do carismático Timo Soini deverá ser convidado a participar nas negociações para a formação de um novo Governo. No entanto, os sociais-democratas e os centristas serão parceiros de coligação mais naturais para os conservadores. Os resultados das eleições deverão, contudo, ditar um relativo afastamento de Helsínquia face a Bruxelas, numa altura em que a defesa da moeda única está no topo da agenda.

SOL

Reescrever os clássicos

Depois das várias acções levada a cabo na Europa para proibir a venda do álbum de banda desenhada “Tintim no Congo”, sob a acusação de retratar os negros como seres infantis, pouco inteligentes e de feições “amacacadas”, chegou agora a vez dos grandes clássicos da literatura mundial serem alvo de uma “re-escritura”. Nos Estados Unidos uma nova edição das Aventuras de Huckleberry Finn, clássico de Mark Twain que desde há décadas faz parte dos currículos escolares norte-americanos, propõe um texto alterado, substituindo as palavras “niger” por “slave” e “injun” por “indian”. Aparentemente alguns consideram a versão original do autor ofensiva e para evitar a censura de algumas escolas achou-se mais adequado reescrever o livro de forma politicamente mais correcta. Não precisamos de chegar a queimar livros, a sociedade multirracial e multicultural ou os proíbe ou os reescreve.

4000 mil novos “portugueses” por mês!

«Desde 2006, quando foi alterada a lei da nacionalidade, os requisitos mais abrangentes abriram portas a 123 mil pessoas e os números não param de aumentar. Dados do Ministério da Justiça mostram que nos primeiros cinco meses se mantém a subir a linha de processos com luz verde. Em média, 3863 pessoas recebem a nacionalidade cada mês.»

Fonte: Jornal i